terça-feira, 5 de julho de 2011

Posso ser um bocadinho fútil, posso?

Claro que posso, fofos, eu posso tudo, e este blogue pode ser uma valente merda mas ainda é meu.
Pois bem. Nunca em toda a minha vida usei um vestido tão curto, exceptuando o meu tempo de meninice. Porém, eis que esta coisa-mai-linda-e-justa-e-preta-e-com-estas-costas-rendadas me pediu, leva-me p'ra casa. E eu sou tão fraca que lhe fiz a vontade.


41 comentários:

L'Enfant Terrible disse...

Espera-se mais vestidos curtos, porque este está aprovado!

Dança dos Dias disse...

Olha que tu não m'encorages qu'inda perc'a cabeça e vai ser um deus nos acuda. Olha, gostei deste, quem sabe... :)

Anónimo disse...

...e de repente passei a adorar futilidades!

P.S. Por vezes escrevo-coisas-lindas-sou-uma-pessoa-justa-e-agora-quase-preta-ou-bronzeada-e-posso-ter-as-costas-arrendadas-se-fizer-de-sandwich-man.
Achas que te podes lembrar disto quando tiveres mais um momento de fraqueza?:D

J.A.

Dança dos Dias disse...

Ohhhh

Não percebi essa da sandwich! Expilica a mim, sim?

Eu é mais croissants.

Observador disse...

Ainda bem que lhe fizeste a vontade.

Anónimo disse...

Nem parece teu...
Sandwich Man. Aqueles tipos que andam com cartazes publicitários à frente do corpo e nas costas e que lhes pagam por isso, tipo "arrendamento".

É uma forma de "dar o corpo ao manifesto".

J.A.

Dança dos Dias disse...

Ora...
E porque haveria eu de arrendar as minhas costas, ainda para mais, dessa forma?
Bah!
Agora fiquei desiludida!

Anónimo disse...

What?!
E quem disse que serias tu a "arrendar"? Aliás, eu falei em sandwich MAN, referia-me a mim!!
Espera, espera, já percebi... fizeste um pacto qualquer e trocaste a (tua reconhecida) inteligência por um corpo que coubesse nesse vestido.
Quem quer que sejas, devolve-me a D.D., ainda que para isso ela tenha que reencarnar numa gaja gorda e feia!!

J.A.

Dança dos Dias disse...

Agora fizeste-me chorar. Vou ali enfrascar-me e já volto.
Eu vi que era sandwich-man, vi. Mas a tua frase é um tanto estranha porque, numa parte, se é que eu percebi, refere-se a mim, na outra, a ti.
Reformula lá isso, de preferência com um desenho a acompanhar, para ver se eu percebo.

Fui apanhada. Sou burra.
E agora?
Não gostas mais da D.D.?











Não?

Dança dos Dias disse...

Parvo, pá.

Onde é que está o livro de reclamações desta merda? Oh, foda-se.

Anónimo disse...

Pois...agora que falas nisso...tenho que concluir que também tu assentarias que nem uma luva no "sandwich man"!
A conclusão a retirar é que somos ambos muito parecidos:lindos e inteligentes, razão pela qual passei a gostar ainda mais da D.D.!

P.S. Apenas tentei equiparar-me ao vestido (ou às suas qualidades) para que, no tal momento de fraqueza, me levasses também para casa. Um pouco rebuscado, admito:D

J.A.

Dança dos Dias disse...

Rebuscado é favor!
Mas vá, percebi agora... A existir uma próxima, tens que fazer logo o desenho.

Tens que me dizer qual é o teu número. Não sei se me assentarias bem.

Anónimo disse...

Para saber se assenta bem, a peça de vestuário (quando feita por medida) tem que ser submetida a uma prova.

J.A.

Dança dos Dias disse...

Que prova é essa?
Se inclui agulhas e alfinetes, vai ser complicado.

Anónimo disse...

Se for uma prova à moda antiga,para além das agulhas e alfinetes, tem que incluir ainda giz e dedal.

J.A.

Dança dos Dias disse...

Oh.
Então o melhor é apresentar-te à minha avó. Ela percebe do assunto. Teriam muito tema de conversa...

Babado disse...

És tu mesma, na foto?

Anónimo disse...

Seria um prazer conhecer a tua avó, certamente a "versão D.D. sem palavrões e futilidades". Conceito estranho mas igualmente adorável.

J.A.

o anão gigante disse...

Gosto. Assim, assim.

Dança dos Dias disse...

Sou eu! Sou eu! E tu? És tu?

Dança dos Dias disse...

J.A., querido, considera-te formalmente convidado a tomar um chá com a avó da D.D.. Ela ia adorar. Resta combinar a data. Traz agulha e linha.

Dança dos Dias disse...

Anão, eu também gosto. Assim, assim, também. Ah, e tal e coiso.

Anónimo disse...

Sim, eu sou eu.

Guloso disse...

Apetitosa...

Anónimo disse...

não permita que lhe seja destruída a auto-estima. ninguém vale isso muito menos quem não lhe dá o devido valor. muitas vezes é na rejeição que se dá conta o potencial erro que existia. Compre este e todos os outros que a fizerem sentir bem. Se necessita do conforto dos leitores, coloque aqui o resultado das sessões fotográficas, eles agradecem também. Se não necessita, apesar de eles agradecerem também, pode estar a demonstrar a fragilidade da situação, não a futilidade da compra. Tive em tempos uma rejeição e na altura apesar de me considerar deveras importante e ter uma auto-estima lá no alto, também precisei de ser elogiada para reforçar, e fiz o mesmo – publicitei-me. Arrependi-me, posteriormente por ter deixado passar essa imagem. Já aqui deu provas mais que suficientes de que é inteligente, tem sentido prático, tem audácia, sentido do humor. Há por aí muita gente interessante que procura por si. Desculpe a intromissão ou invasão bem como a extensão deste comentário, mas gosto de a ler e gostaria de partilhar esta minha experiencia…pode ou não usá-la. Força, para dançar, com esse ou qualquer outro vestido, nos dias!
H.S.

o anão gigante disse...

Ouve este. É um bom conselho.

Dança dos Dias disse...

Ai eu ouvi muito bem. Mesmo que com os olhos.
Aliás, li duas vezes, e a confusão inicial mantém-se: em que momento disse eu que tinha sido rejeitada por quem quer que fosse?

Anónimo disse...

reportei-me aos seus posts de 17 de Junho. Muitas vezes verbalizamos nós o que outros já decidiram. se interpretei mal, as minhas sinceras desculpas. inclusivamente pensei que os comentários seriam publicados depois de aceites, não era minha intenção.

Dança dos Dias disse...

Ora essa! Pedir desculpas porquê? Os comentários são automaticamente publicados porque eu assim o decidi.

Interpretou mal em relação a post's anteriores, as coisas nem sempre correm bem, é verdade, assim como não correram para mim, mas os contornos foram diferentes daqueles que imaginou. Talvez, um dia, tenha oportunidade de esclarecer isso.

Não deixa, no entanto, de ter razão no primeiro comentário que fez. Mesmo. Não será um comentário caído no esquecimento. Foi pertinente!

Obrigada.

Dança dos Dias disse...

A questão é que, por vezes, temos que rejeitar o que queríamos porque aquilo que nos é oferecido é pouco.

No meu caso, recusei-me a baixar as expectativas, continuo a recusar-me a isso. Posto isto, embora já tenha sofrido alguns abalos ao longo da vida, a minha auto-estima mantém-se.
Não aceito, pura e simplesmente, as coisas por menos.

Sisnando disse...

:)

Anónimo disse...

:) é isso mesmo e a mensagem inicial seria exactamente por aí, apenas reforçando a necessidade de reflexão “do depois”. Não baixar expectativas ou graus de exigência é a regra! Para gostar de nós estamos nós. Os outros têm que nos Amar! Se assim não for, que passem bem sff. Também eu já tomei decisões difíceis e dolorosas na vida exactamente porque não baixei as expectativas. Se me dei bem ou melhorei? Nem sempre, mas tomava-las de novo e muito provavelmente até antes. Muitas vezes é antes só, que acompanhada e inexplicavelmente só!
As massagens no ego sabem sempre bem, quer precisemos ou não e é fácil cair em tentação de as “solicitar”. :)
H.S.

Dança dos Dias disse...

Eu sei, eu sei.
O que me vale é que só faço solicitações destas de quando em vez... A maioria das vezes não preciso solicitar, eu é que sou uma "pedinchona"! =)

Se tem um blogue, devia identificar-se, é que, para além de ser pedinchona, sou muito curiosa.
Pronto, e com isto lá se vai a minha reputação.


Humpf.

Sisnando disse...

Leva isso com calma!

Dança dos Dias disse...

Isso o quê?

Sisnando, querido, estava preocupada contigo, pensei porque raio, em comentários anteriores, não aparecias identificado...
Jasus, Maria, José, este blogger só dá problemas.

Sisnando disse...

Hã?
Não comento há uns dias, querida!

;)

Dança dos Dias disse...

Saíste-me cá um mentiroso!

Pá, perdoo-te porque, após anos nesta batalha árdua, consegui tornar-me numa boa pessoa, tolerante para com os demais.

Mente, mete, que eu gosto!

Não tenho gostado dos nomes com que assinas, devias ver isso, arranjar uns nomes mais catitas, sim, prometes?

Sisnando disse...

Mente, mete, que eu gosto?!

Ahahahah!

Meto?


;(

Dança dos Dias disse...

Foda-se, pá. Assim não dá! Uma gaja quer dar ares de ser muito pura e casta e depois acontece uma merda destas... Bem que podias ter deixado passar em branco o meu descuido.

Agora, mete.










Mete o rabinho entre as pernas e corre o mais rápido que puderes. Ainda levas uma valente coça.

Teonanizi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sisnando disse...

Eheheheheh!